Pipelines

Antes de continuar saiba: é apenas mais outro post sobre microsserviço e é mais um lembrete do que um aviso. E ah, talvez você encontre coisas óbvias.

Sempre que leio algo ou assisto palestras acerca do assunto, poucas vezes pontuam os problemas que você ganha - sim, pois não tinha - ao utilizar microsserviços.

Inspiração

Uma coisa que sempre me incomodou foi a a “glamourização” que se cria não só em torno do assunto como também do tal chamado “hype” nos setores e comunidades de tecnologia.

Por participar ativamente da comunidade JavaScript sei que esses “problemas” são constantes nesse meio. Recorrência sobre: “o framework que eu uso é melhor que o seu”, ou, a um tempo atrás quando me indagaram “nossa, você ainda não usa isso?”, se referindo ao fato de eu não usar yarn, na época uma ferramenta recém lançada. Aliás, considerando o fato do bash ser de 1989, sim, o yarn ainda é algo recente, mas isso é assunto pra outro post.

Desmitificando Microsserviços

Microsserviços te ajudam a economizar com infraestrutura? Sim. Microsserviços tornam o processo de desenvolvimento e distribuição mais complexo? Sim. Microsserviços melhoram a manutenabilidade das suas aplicações? Sim. Microsserviços dificultam achar com maior rapidez o ponto certo de um erro na sua stack? Sim.

São muitas as perguntas. As respostas podem ser negativas ou positivas e que para serem respondidas dependem do contexto passado, presente e futuro que você, sua equipe e sua empresa definem. A análise, o diálogo e a troca de experiências com outras empresas e pessoas é essencial para tentar obter sucesso.

Sei que parece óbvio, mas: não vá para microsserviços só por ir, por “hype”. Definitivamente, não faça isso!

Porém, como dizia um palestrante falando sobre microsserviços uma vez: “apesar dos cases de sucessos da Netflix e AWS, lembre-se: você não é Netflix e nem AWS!“. Isso é algo que concordo em parte, você não pode simplesmente comparar de forma crua. Provavelmente o seu serviço não tem 118,9 milhões de assinantes e nem é responsável por 15% do tráfego mundial da internet, mas pode ter 1 milhão de acessos únicos mensais ou ter que operar com uma massa de dados muito grande, o que torna a ideia de evoluir a arquitetura mais palpável. Talvez ir para microsserviços seja a melhor saída mas saiba das dificuldades antes de escolher e aplicar essa arquitetura.

Quando você e sua equipe resolverem seguir por esse caminho não será fácil, na verdade será bem difícil, e apesar de talvez vocês se livrarem de alguns problemas, ganharão outros, por isso reforço: pense, troque experiências, desenhe, arquitete antes de tomar qualquer decisão.

Com ou sem “dor”?

Tive uma experiência em que um monolítico gerava muito esforço voltado pra manutenção - muitas vezes “entregando software”, porém, sem valor ao cliente. Era bem difícil fazer as coisas nele, não seguia padrões, não haviam testes, utilizava uma tecnologia que nos impossibilitava de conteinerizar, enfim: um caos. Depois de longas reuniões onde mensuramos os custos resolvemos então migrá-lo para uma arquitetura mais enxuta e que fosse possível alocá-lo junto com os nossos outros serviços em uma estrutura com recursos compartilhados utilizando Kubernetes.

A “dor” veio e tivemos que tomar uma decisão naquele momento. Em seguida, devido ao sucesso, com mais experiência e segurança no que estávamos fazendo, começamos a distribuir responsabilidades desse serviço em outros utilizando nginx para fazer o roteamento progressivo.

Fomos fazendo a distribuição aos poucos, movendo rota a rota, funcionalidade a funcionalidade, porque também teríamos que paralelizar migração e entrega de novas features.

Pontos de Atenção

  • É muito legal você poder utilizar recursos em diferentes linguagens para resolver problemas específicos, porém, antes de adotar essa arquitetura que envolva multilinguagens, tenha certeza que sua equipe está preparada e nivelada para dar manutenção e criar serviços nessas linguagens. Isso pode evitar que haja sobrecarga sobre algum membro.

  • Outro problema recorrente é a complexidade para debuggar processos que envolvam mais de uma aplicação.

  • Rodar o ambiente local com muitos microsserviços? Microfrontends?! Outro empecilho.

  • Crie padrões de desenvolvimento para cada linguagem que você vai utlizar, automatize esse processo de verificação utilizando pipelines.

  • Aliás, falando em automatização, já pensou ter que fazer deploy de tudo isso depois de cada Pull Request? Sem condições. Automatize se possível todo o seu processo de integração e deploy.

  • Priorize testes de integração, eles envidenciarão gargalos e inconsistências entre microsserviços. Se utiliza microfrontends e/ou biblioteca própria de componentes, faça testes end-to-end.

  • Defina entre a equipe coisas básicas, como por exemplo, como funcionará nomenclatura de rotas. Use referências.

  • Se utiliza Docker como ferramenta de container, recomendo o docker-compose para “orquestrar” a estrutura de serviços localmente.

Apesar dos hypes, existem sim as melhores ferramentas. Porém como quase tudo nessa vida, vai depender para qual finalidade que você quer utilizá-la. Existem as que exigem uma curva de aprendizado maior e que entregam um excelente valor, outras nem tanto. Existem ferramentas plugáveis com curva de aprendizado quase nulas que também entregam excelentes resultados, outras nem tanto. Ou seja, não siga o fluxo. Procure prós e contras e principalmente qual se encaixa melhor no que você está construindo.

Ferramentas servem para agilizar, automatizar, melhorar, tornar o seu trabalho mais produtivo, não atrasá-lo.

Não faça refatoração e nem distribua sua aplicação em microsserviços precocemente. Se você acha que fez isso e está tendo mais trabalho para manter do que antes, reavalie a necessidade.

Estimativas + Microsserviços

Quando você tem várias etapas e serviços e é preciso criar estimativas, o processo acaba ficando um pouco mais difícil. Pode ser que hajam erros, porém, como ciclo base do scrum, faça sempre as reviews evidenciando onde houve o erro.

Começamos a experimentar recentemente o mapeamento de aplicações x impacto, em um primeiro momento nos ajudou a visualizar o todo.